Não grite

Abuso é o que seus olhos fazem ao me devorar
impetuosamente
invadindo ferozmente
meu espaço
meu corpo

Sugando minha integridade
menosprezando minha existência
suja, vagabunda

Abuso é o assovio que me dá
Ei, Venha cá
Não vou te machucar
Vadia, você pediu por isso!
Imunda
Suja

Abuso é o que seus dedos fazem
ao percorrer meu sexo
(não grite)
(não chore)
(não olhe pro meu rosto)

Abuso é minha calcinha em frangalhos
O choro
O soluço
O sangue escorrendo
Cale a boca e obedeça
Suja
Imunda
V-A-G-A-B-U-N-D-A!

Abuso são os questionamentos
Por que saiu de casa a noite?
Por que não vestiu uma roupa maior?
Você pediu por isso, menina

Abuso é meu choro
meu soluço
meu medo
minha culpa

Abuso é tudo aquilo que me foi roubado
meu corpo que foi invadido
minha boceta que foi arrombada
minha dor

Abuso é o nojo que sinto
de mim
do meu corpo
do meu ser
do meu existir
(não chore)

Abuso é o que terei que carregar
não no meu útero
não na minha barriga
mas na minha alma

cada palavra
cada grito que foi silenciado
e cada tapa na cara que me foi dado

A culpa é sua!
Você que pediu isso!

Quando na verdade
meu único pedido
foi o de socorro

(não grite)


- Lari Lima

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário