Quando a vê

E quando você a vê
Viaja no universo
Só quem vê crê
No poder tão diverso
Que ela pode trazer.
Um paraíso submerso

É intruso, mas discreto
O olhar que aquela lança
E há um aviso secreto:
Tal envolve como uma dança.
Não há nenhum tão direto
Nem com brilho de criança.

A moça é misteriosa
E tem sorrisos ensaiados
É prendada em ser formosa
E deixa todos extasiados.
Sua alma é ansiosa
Mas é calma como um prado

Os cabelos soltos são louros
A boca é cálida como mel
O valor dela não é ouro
Tampouco um lugar no céu
É de longe tesouro
Que se esconde sob o véu

E se esse véu eu tirasse
Sorte haveria de ser
Se um dia tal me ligasse
E quisesse me conhecer
Que essa sorte então me enlace
Quando eu a vê

As rosas que mandaria
Fariam novamente ela querer
Casamento ao certo daria
Então espera quando haver...
Maldita sorte que me guia
Deixa eu só de novo a vê.

- Lore M.

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário