O Demonologista

VOCÊ CONHECE "O DEMONOLOGISTA"? VAI CONHECER! 

Por Anderson.


Talvez eu ainda não saiba direito por onde começar; sobre esse livro o que tenho a dizer é apenas uma cópia do que o mestre do terror Stephen King disse “O medo clássico tem um novo nome. Andrew Pyper.”
Assumo que não foi por causa do King que quis começar a ler esse livro, embora tenha sido por causa dele que me fez querer mais ainda tê-lo em minha estante e devorá-lo. Talvez tenha sido a capa, o formato do livro que foi feito pela editora ‘Dark Side’ - e eu os parabenizo por isso. -, me chamou a atenção. A primeira vez que vi esse livro não foi na livraria, a primeira vez foi na internet, e ao vê-lo me deu vontade de pegá-lo em minhas mãos e apenas visualizá-lo, e quando o peguei finalmente foi como pensei que seria. Pela primeira vez tive um flerte desse tamanho com um livro; nem com as obras de Stephen King tive esse caso de “amor a primeira vista!”. Afinal, esse é um típico caso de “julgando o livro pela capa”, e deu certo!

Assumo que a semelhança do personagem comigo foi algo gritante, e de certa forma me dava um “frio na barriga” ao pensar o que poderia acontecer a ele nas próximas páginas. O livro em si é um enigma, uma coisa que nos prende apenas pelo nome que tem, seguindo essa linha de raciocínio, já dá para ver que temos uma tremenda história aí.

A história acontece em um cenário de certa forma conhecido por nós, leitores assíduos de contos de terror, aonde muitas vezes o personagem principal tem problemas com ele mesmo, aonde a solidão o cerca, a depressão, a omissão contra si próprio; convenhamos que essa é a pior solidão existente, aonde temos em quem nos apoiar mas mesmo assim nos sentimos sozinhos.
O livro conta a história David Ullman, um professor de literatura premiado e que tem especialização em demônios – daí vem o nome Demonologista. - , e ele é convocado a fazer uma viagem para Veneza para presenciar um fenômeno que está ocorrendo por lá, aonde ele de início não aceita, mas por conta de problemas em seu casamento decide aceitar a oferta e leva junto sua filha Tess, uma jovem criança com seus 12 anos, mas que é a cópia de David; ela é David de saia.
Ambos aproveitam as férias pagas por alguém desconhecido, até aí nada de ação, mas não disse que a história é parada. A história em si já começa acelerada. Tudo acontece quando Dave – tomo a liberdade para chamá-lo assim, por achá-lo de certa forma parecido comigo e ter criado um vínculo com ele. – chega à casa 3.627, e lá meus amigos é apenas o começo. Ao encontrar um homem que aparentemente está possuído, muda quase que completamente os pensamentos dele, e quando ele descobre que ele é o alvo do demônio tudo muda. E como ele descobre? Quando no mesmo dia, ao voltar para o hotel o demônio leva sua filha, e ela apenas pede a seu pai “Encontre-me”. É aí que começa a jornada de David Ullman, o escolhido do Diabo para revelar ao mundo que ele é real, para salvar sua filha e a tudo o que ele ama.
David segue pistas que são deixadas de alguma forma por sua filha dita como morta, mas que para ele, um pai ferido pela perda, não está. Segue também os versos deixados por John Milton, do livro “Paraíso Perdido”, aonde existem versos de uma possível conversa entre Deus
e Diabo. Dave tem que descobrir quem é esse demônio, já que Diabo é muito vago dizer quem seja, ou pode ser o próprio Satã, ou pode ser um de seus servos. Segue abaixo o trecho do poema de Milton que revela no livro a identidade do maldito ser das trevas que está usando nosso provável personagem favorito, dentro muitos que já temos:

“Pelo outro lado elevou-se
..., em gesto mais gracioso e humano;
Ninguém tão belo parecia ter perdido o Paraíso;
Feito com tamanha dignidade e bravura:
Mas tudo era falso e vazio.”


Sim, é preciso que David descubra a identidade dele, o demônio em questão quer que isso seja feito, ele mesmo quando lhe é perguntado seu nome, “Não me conhecer demonstra vossa ignorância.”

O livro é cheio de surpresas, te faz querer saber o que vai acontecer, se ele saberá desvendar alguma pista, se ele conseguirá receber algum sinal, o livro não te deixa largá-lo. Parece que ele mesmo conversa com você e que o livro é a forma de David Ullman dizer “Ei, cara, o diabo existe, saiba disso!”, parece que essa foi a forma usada por ele para poder salvar sua filha e nos deixar atônitos sobre a existência do mal. “A mente tem seu próprio lugar, e neste / Pode fazer do inferno um paraíso, do paraíso um inferno.”

O melhor de tudo – ou pode ser pior, depende do que façam. -, é que essa obra irá virar um filme, e assumo mais uma vez, que estou animado para assistir, coisa que não me acontece há muito tempo em relação a filmes de terror recém-lançados, todos monótonos, tediosos e que em algumas vezes me faziam dormir. Claro, teve uma vez que quase briguei dentro do cinema por conta de alguns babacas que ficaram jogando pipoca em minha namorada, mas me contive para não ser expulso do cinema por bater em “menores de idade indefesos”. Mas fui de certa forma recompensado, aonde toda a ação que não teve no filme teve no final dele, aonde uma garota caiu no chão, chorando, se debatendo e uma mulher que poderia ou não ser sua mãe rezava/orava em cima da garota; pessoas choravam ao ver a cena, e eu queria contiar assistindo, mas a namorada não deixou. O filme se não me engano era “Invocação do mal”. E o que toda essa história tem a ver com o filme do livro em questão? Que esse provavelmente será um ótimo filme de terror, seguindo em base o que temos do livro, e sinto que não me decepcionarei como nos últimos lançamentos aonde todos disseram “morrer de medo”.
O filme está previsto para chegar aos cinemas no dia 24/11/2016 – e espero que no Brasil seja nessa data, até porquê, geralmente nada no Brasil em relação aos filmes chegam na data prevista. – com direção e roteiro de Robert Zemeckis, o mesmo diretor de filmes como “De volta para o futuro”; “Forrest Gump: O contador de histórias; e o melhor de sua lista “Naufrago”, o que aumenta até certo ponto meu entusiasmo.
Ainda não tem muito o que dizer sobre o filme, como atores por exemplo, mas quero muito saber, quem será por exemplo David Ullman, e quem será Tobby – esse nome soa familiar para vocês? -. Então iremos esperar o ano de 2016, o ano de grandes filmes para saber como será contada a história de “O Demonologista” nos cinemas.

E termino dizendo uma pequena frase de John Constantine, “Você acredita no Diabo? Deveria, pois ele acredita em você.”

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário