Mais um soneto de amor












O amor,
Ah, o amor.
Não é aquilo que todo mundo pensa
Não é o sentimento que quando existe
Trás consigo a dor.
O amor, ele vem pra curar
Alimentar a certeza 
De que com ele a vida curta e passageira
Irá melhorar.

O amor,
Ah, o amor.
Agora ao meu lado 
Dorme o amor da minha vida
Que por descuido
Gosto de assim pensar 
Quase foi embora
Levando um restinho bom
Que havia em mim,
Mas o amor a trouxe de volta,
E me mostrou o caminho de casa
Outra vez.

O amor,
Ah, o amor,
Ao mesmo tempo que te afaga
Te destrói,
Te desperta para o mundo,
Mas também te joga 
Em um abismo profundo.
Com o mesmo sorriso que te seduz,
Com as palavras ditas sem pensar 
Corroem aquilo que construiu 
Em sonhos de prazer.

O amor?
Ah, o amor,
Ao mesmo que tempo que é fiel,
Te trai sem saber o porquê.
Ao mesmo tempo que adoça
Azeda a boca
E amarga a vida.

O amor?
Às vezes está no primeiro beijo,
No primeiro namoro,
Mas amor é só um.
Ele não suporta tudo, não tolera tudo,
Amor às vezes tem validade,
Nesse mundo de tecnologia
Até o amor virou descartável,
Entre os homens
Mais vale o sexo 
Que o prazer de amar na cama,
Amar é difícil,
Mas apenas mais uma noite 
É mais difícil ainda,
Por que quem estará contigo em noites de tormenta?
Quem mostrará estar ao teu lado
Quando todos estiverem de costas?

O amor?
Não abandona,
O amor dura o tempo que tiver que durar,
Mas apenas dura mesmo
Se você quiser fazê-lo durar.

O amor?
Ah, amor.
O que será o amor?
Amor machuca,
Mas vale a pena amar.
Amar a vida, 
Amar a mulher que te concebeu.
Amar o homem que te repreendeu
E ao mesmo tempo te protegeu:
Os pais!

Amar a criança que veio depois de você.
Amar não é fácil,
Perdoar também não,
Mas ame, sinta a emoção de amar,
De sentir o gosto bom
Que o amor tem.

Tenha amor ao simples,
Às vezes o feio compensa o belo,
O amor seduz,
O amor abre portas,
Te mostra caminhos.
Alheio à dor do mundo
O amor apenas espera 
A oportunidade de entrar.

O amor,
Ah, o amor.
A mulher que eu amo
Está envolta em meus braços,
E eu amo amar seu sorriso,
Seus olhinhos quase verdes
Que brilham mais que uma noite de céu estrelado,
O brilho de seu ser
Que faz inveja ao sol
Mesmo que brilhe em dia ensolarado.
Amo amar-te, mulher,
Com meu amor simples 
Prometo cuidar-te, respeitar-te,
E fazê-la feliz por toda a eternidade,
Embora a eternidade acabe um dia.

O amor?
Ah, o amor,
Ainda existe e antes que ele acabasse
Encontrei o par perfeito
Pra me dar direção.
Pra mim, o amor tem cor:
Alaranjado é a cor do meu amor.

- Anderson R.

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário