Sobre o mal do século? Eu (te) entendo!


O assunto que muitos fogem. Pais fingem não ver, pessoas fingem não aceitar, outros fingem se afastar. Ao menos eu penso isso, porque veja bem, não é possível que as pessoas realmente não percebam, que as pessoas não aceitem, mas acredito sim que "amigos" se afastem.
Sabe aquela coisa de não querer ser quem você é? De não saber o que fazer com tudo, com esse turbilhão de pensamentos? Eu sei. Eu te entendo!
Eu sei o que é querer falar e não conseguir, o que é querer ter e não sentir. Eu sei o que é tentar sorrir e não ter forças para forçar um sorriso sem que uma lágrima caia!
Eu sei o quanto o assunto é regrado em medidas largas de preconceitos que nos amedronta, nos faz pensar que é apenas frescura tudo isso. Eu sei o que é ouvir das pessoas que você não tem nada, que é só olhar ao seu redor que você vai ver o que é realmente ser triste. Eu sei o que é ser comparado, sem poder se manifestar!
Eu sei o que é precisar ter alguém, mas não saber a quem recorrer. Eu sei o que é querer se trancar no quarto longe de tudo o que te impulsiona para baixo, mas você tem que levantar, erguer a cabeça e fingir pra Deus e o mundo que está bem!
Eu sei o que é passar noites em claro e querer ficar dias deitado pensando em tudo e em todos, qual deveria ser a melhor fuga!
Eu sei o que é ouvir piadas de pessoas retardadas que acham que sabem de tudo, mas não sabem nada, riem e te chamam das piores coisas só porque você encontra alívio no fio de uma navalha. Pra ele isso é motivo de piada, até o momento que ele está no mesmo barco. 
A solidão não é apenas um sentimento de se sentir só. É muito mais que isso. Se sentir só é muito vago, sentir só é apenas chamar a galera para ter pessoas para conversar. 
A solidão é uma prisão, você está rodeado de pessoas que gosta, que ama, mas você não está ali. Você não se completa, não se entende. A solidão te fere, maltrata. A solidão te suga as forças. A solidão vem com mais força se você está rodeado de pessoas. O vazio!
Eu sei o que é querer sair disso tudo e não conseguir. Eu sei o que é viver um dia de cada vez, tentando não deixar cair da tristeza de sempre. 
Eu sei o que é levar em frente o mantra sagrado de "É só por hoje", de poder ser apenas hoje que acordei bem, de talvez no final do dia, já não terminá-lo tão bem assim. 
Eu sei. Ah, como eu sei. 
Eu sei como é olhar no espelho e não entender o ser abstrato que o espelho reflete. Eu sei como é abandonar o que gosta e se privar do exterior. Eu sei o que é ser perseguido na escola e ter que esconder de todos, porque eles não entenderiam.
Eu sei o que é se sentir pequeno enquanto as pessoas te encaram. Eu sei o que é se esconder entre quatro paredes. Eu sei o que é chorar escondido, principalmente no banheiro. Chorar bem baixinho pra ninguém escutar!
Eu sei, o que é viver ansioso e ao mesmo tempo não prestar atenção em nada, e ser julgado por isso. Eu sei o que é ser pré julgado sem conhecerem quem é você!
Eu sei o que é ter sonhos, mas o abismo te priva. Eu sei o que é ter o estômago atacado pelas crises de ansiedade e pelos remédios, eu sei como é perceber que os remédios já não fazem mais o efeito esperado. 
Eu sei. Sim eu sei, e muitos também sabem, o que é viver escondendo a dor que você tem dentro de ti. 
Eu sei o que é esconder por não querer atrapalhar a vida de ninguém e querer pensar nas mais variadas fugas!
Eu sei o que é viver mas não existir!

- Anderson R.

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

1 comentários:

  1. Muito bom mesmo. Me identifiquei, parece que foi feito especialmente pra mim, como se estivesse aqui, me dizendo isso!

    ResponderExcluir