O ano em que te conheci


O ano em que te conheci
Por: Tânelly-Neriah

Sem dar muito por mim ou por qualquer outra pessoa, vivi. O ano foi difícil, estudar, trabalhar, casa, minha Nina pra criar. O ano também teve praias, dias de sol, as vezes com um temporal aqui,  outro ali. Costumo dizer que você sempre esteve tão perto e ao mesmo tempo tão longe. O ano teve partes confusas, inverno sem chuva, outono sem folhas caindo, em plena primavera as flores nem tinham florido e o verão continha dois sois.


No meio de tanta turbulência você é o cais, o porto numa estrada de escolhas, meu tiro no escuro mais acertado.
Tanta coisa pra esquecer nesse ano, mas quando acabar, os 365 dias vão passar como um borrão em minha mente e você estará lá, algo sólido, feito pra durar.
Eu gravei seu nome nas linhas tênues e sutis que me levaram a amar. O velho Chico nos abençoou, nas dunas eu escrevi o nosso amor, enquanto a super lua foi nossa testemunha. Em pedras eu cravejei nossas iniciais como um elo. Em Canoa você me fez voar e saímos espalhando nosso amor nos 4 cantos.
Você parece um pôr do sol, do qual esperei com fervor em uma tarde serena, quando te tenho em meus braços  eu ganho o mundo. 

Sempre quando eu falar desse ano que passou esquecerei das coisas ruins, porque foi o ano em que te conheci.
Você chegou e fez ninho, trouxe mimo, fez morada. Fica por uma vida e me faz teu dengo, te prometo não faltar carinho.


Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário