O Mensageiro - A Pedra | Resenha

Fala galera, sejam bem vindos ao Blog Fixação Literária!

Hoje eu, Iago Victor, vou trazer para vocês a resenha de um livro muito interessante de um parceiro nosso da Chiado Editora!

Conheçam o livro do Anderson M. Braga:
O MENSAGEIRO
A Pedra


Sobre o Livro:

O livro, que narra a história de Anderson no subúrbio do Rio de Janeiro, apresenta já inicialmente três características que chamaram muito a minha atenção durante a leitura:
(A) A prosa esteticamente poética; (B) Trechos do livro narrado em poesia e (C) o percurso narrativo que confunde o leitor durante a leitura.

Antes de entrar na parte crítica, vou resumir a história do livro (tentarei) da mesma forma cômica que o autor narra a história.

   A Pedra conta a história de uma criança que cresce sob dificuldades de desenvolvimento social que são comuns do subúrbio, principalmente no período histórico do Rio de Janeiro em que se passa a história. Na tentativa de seguir seu sonho, Anderson presta diversos concursos para ser um Fuzileiro Naval, interrompendo seus estudos na escola regular para dedicar-se inteiramente ao curso preparatório. No entanto, as dificuldades causadas pelo relacionamento conturbado de seus pais, assim como o alcoolismo de seu pai que o puxava para baixo como uma âncora, dificultam seu desenvolvimento pessoal, emocional e profissional.
  Não conseguindo êxito em sua empreitada, Anderson se vê como um homem que não é capaz de suprir as necessidades de sua família, embora eles não passassem por qualquer necessidade mais durante sua juventude. Após uma série de reflexões a respeito da vida e [opinião minha] de como o amadurecimento precoce pode prejudicar a mente de uma pessoa, o sujeito descobre que há mais na vida do que apenas a existência. Ele, que era uma criança de pensamentos violentos e fora do padrão da sociedade, descobre que a felicidade é uma questão de perspectiva e evolução.

Partindo agora para a crítica, seguirei as três propriedades por mim citadas:

(A) Sobre a prosa poética, ao longo dos primeiros capítulos você acredita que está lendo um livro de autoajuda, pois o espectro narrativo construído através de mensagens motivacionais é claro. No entanto, a partir do meio do livro você percebe que, além de não ser um livro de autoajuda, também não se trata de uma autobiografia, mas sim de uma narrativa reflexiva voltada para o lado cômico e motivacional. Embora possa parecer sadismo rir de alguns trechos, confesso que as falas de alguns personagens me fizeram rir como criança.

(B) O uso de poesia no meio da prosa foi algo que me encantou, porque foi o primeiro livro em questão que vi o uso desse recurso e que, na minha opinião, foi explorado de forma brilhante. Inclusive, se você nos segue no Instagram (@fixacao_literaria) você provavelmente viu uma dessas poesias.

(C) O percurso narrativo, que difere da prosa poética aqui, é marcado por uma série de ascensões e declínios, que ora remetem a um sofrimento intermitente que consome tanto leitor quanto personagem, e ora remete a uma paz de espírito de motivação que faz o leitor imaginar que está lendo dois livros ao mesmo tempo.

No total, é o primeiro livro que leio nesse gênero e de fato gostei muito.

Sobre o Autor, Anderson M. Braga nasceu no Rio de Janeiro e conta sua história ao longo do livro, então se você quiser conhecê-lo, recomendo fortemente que adquiram esse maravilhoso livro <3
Abaixo temos os links para quem quiser conhecer mais o trabalho do autor:


Grande Abraço e até a próxima pessoal!!

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário