A Volta do Pequeno Príncipe | Resenha

Bom, geralmente eu inicio meu diálogo com você, caro leitor, com um breve, mas caloroso, "Fala Galera!", no entanto hoje eu desejo variar minha locução, pois a resenha de hoje é voltada para mães, pais,  tios, tias, avós e avôs, professores e crianças. 
Eu sou Iago Victor, bacharel e futuro licenciado em Letras pela Universidade Federal de São Paulo, e hoje trago para vocês uma obra especial. Conheçam a continuação de O Pequeno Príncipe:

A Volta do Pequeno Príncipe
Luciula Soares

   Eu tive de reler a obra de Antoine de Saint-Exupéry agora adulto para ser capaz de analisar a obra de Luciula Soares com maior propriedade, e foi o que fiz. Trago essa informação pois ela é essencial para falar a respeito do início de A Volta do Pequeno Príncipe. No final da obra de Antoine o autor se despede fazendo um apelo para que alguém que visse o pequenino garoto de cabelos dourados lhe escrevesse uma carta comunicando-lhe a respeito do contato com o garoto que encheu o coração daquele homem de saudades após sua partida. Por que isso é relevante?
   Porque A Volta do Pequeno Príncipe se inicia a partir de uma carta escrita ao autor, atendendo ao seu apelo e comunicando que o Pequeno Príncipe fora avistado. Luciula explica ainda que essa carta pôde ser escrita apenas 70 anos depois por conta da lei dos homens (direitos autorais) e essa é uma informação que, além de dar conta de explicar ao autor a demora da escrita, ainda traz ao leitor a linguagem tão própria que Antoine usou no PP.
   Serei agora técnico, para em seguida falar da minha experiência como leitor.

   Na minha opinião como profissional na área da literatura (e da minha professora, especialista em Literatura Infantil e Juvenil na Universidade em que estudo), ao analisar o padrão de linguagem de Antoine no primeiro livro e a de Luciula no segundo, percebi algo que fez com que eu me encantasse por Luciula: Ela não tenta contar a história como Antoine contou,  não tenta copiar sua técnica, ela cria uma própria que, a meu ver, é o resultado puro da aemulatio, o que faz com que a autora seja capaz de personificar a linguagem simples e direta, repleta da oralidade que Antoine construiu, de sua própria forma. É algo magnífico. Não me lembro de ter reconhecido a Aemulatio em alguma obra do século XXI de forma tão eficiente. Aqui a aemulatio não funciona na tentativa de superar ou competir com o original, mas sim como uma tentativa de recuperar o espírito com que o primeiro livro se encerrou e, na minha opinião, Luciula Soares o fez de forma perfeita.
  O uso de aquarelas próprias, bem construídas e intercaladas com trechos cruciais da história, recuperam o espírito de O Pequeno Príncipe. Eu costumo temer fortemente as obras que terminam de forma excepcional, mas nesse caso fui obrigado a engolir meu temor com uma caneca de chocolate quente. O trabalho de Luciula Soares recupera a essência de O Pequeno Príncipe de forma magnífica.
   Passo agora para minha experiência como leitor.

   A Volta do Pequeno Príncipe narra o retorno do pequenino garoto de cabelos dourados ao seu asteroide, junto de seu carneiro e, ao voltar para sua casa um anos após sua partida, percebe que sua amada rosa se foi, deixando para trás apenas a memória na mente do príncipe e uma haste presa ao chão. O que temos em A Volta do Pequeno Príncipe é um garoto já amadurecido que tem de lidar com a dor de perder quem ama e seguir em frente, sobrevivendo com o sentimento de perda que constantemente invade seu coração. Em meio a dor ele encontra o amor em um beija-flor que, aos poucos, vai ensinando de forma lúdica e sábia que a vida, apesar de triste em alguns momentos, consegue trazer novos ares e novos amores.
   A outra parte da narrativa de A Volta do Pequeno Príncipe trata do inverso do primeiro livro. Agora o Pequeno Príncipe é visitado pelas pessoas em seu asteroide e passa a ver o comportamento humano com um olhar mais amadurecido, resultado de seu ano como habitante na Terra. Esse amadurecimento é característico da infância e confesso que ao ler a obra de Luciula eu pude me sentir como uma criança novamente. No fim, O Pequeno Príncipe reencontra seu velho amigo de uma forma que não consigo descrever sem o uso exagerado de adjetivos (e não, não vou contar o final! Vocês precisam ler o livro por si mesmos! Vale muito a pena!) Me senti em contato com o Pequeno Príncipe 18 anos após a leitura da primeira obra.

  A Literatura Brasileira ganha em muito com sua obra. Eu humildemente lhe agradeço, Luciula Soares, por trazer de forma esplendorosa e magnífica uma história que conseguiu encerar-se perfeitamente duas vezes. Você fez meu coração alegrar-se por ver novamente o Pequeno Príncipe em novos ares e de forma tão viva. A você, meu muito obrigado e maior desejo de sucesso.

   A vocês leitores, lhes peço que leiam AGORA esse magnífico livro. Vocês não vão se arrepender.
A Volta do Pequeno Príncipe. O livro infantil que fará parte das minhas aulas de literatura de hoje em diante.

Sobre Fixação Literária

Fixação LiteráriaSomos jovens escritores que almejam um lugar nesse vasto campo que é o universo literário e termos a chance de acrescentar na amargura do mundo uma gota de criatividade, duas colheres de elegância e uma pitada de imaginação. Créditos imagem - Mell Galli
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário